Buscar
  • Jéssica Milato

POST #PalavraDoDia


Precisamos falar sobre: livros.

Autor, se você tiver ego inflado ou se achar o próximo best-seller do New York Times, peço que não leia este post. A intenção não é fazer deste, uma rinha de briga de galo.

É apenas a visão de alguém que está no mercado há algum tempo e o estuda demais.

Precisamos falar sobre livros. Sim, aquele calhamaço de papel, preso por cola e que muitas vezes chegam a custar um valor considerado pela “sociedade leitora”, caro.

Vamos começar numa regra básica. Livro é PRODUTO.

Peço que não se choquem com essa verdade que trouxe.

Qualquer profissional de qualquer ramo, que trabalhe onde deseja, trabalha com amor, mas não POR amor.

Amor é lindo, mas não paga internet, luz... tempo.

Por trás de um livro, o mais básico e simples que você tem na estante, teve dinheiro investido.

Teve capista, revisor, diagramador... e esse não foram pagos com amor.

Ah, o autor adora receber amor nas redes sociais, mas não sejamos hipócritas em dizer que ele não prefere os royalts da Amazon. Porque é isso que muitas vezes pagam as contas da casa dele.

Escrever é lindo, é algo que demanda muito tempo e inteligência. Não é só sentar na frente do computador e cuspir as palavras. Por isso SIM o trabalho do autor deve ser valorizado.

Mas como valorizar se nem mesmo ele valoriza? Se ele mesmo não investe?

“Ai, mas editora que cobra é gráfica disfarçada”.

Aham, até porque, editora vive de vento.

“Ain, mas eu só publico se for tradicional”.

Quais as garantias que você dá, que seu livro é bom? Que de fato vai vender, para suprir os gastos da editora e aí então gerar algum lucro?

Livro físico virou questão de status.

A pessoa vende 10 livros e coloca no currículo que tem X livros publicados, sendo que nem 1/10 deles é falado em rodinha de leitores nas redes.

Aí optam por não pagar a editora/gráfica disfarçada e vão para o financiamento coletivo.

Sem estrutura, sem planejamento, sem publico, só provando para a editora, que mais uma vez ela estava certa em não apostar naquele livro.

Estamos vivendo a era de muito livro e pouca qualidade. Todo mundo é escritor, mas muitos não sabem se quer usar um travessão em fala. Pior, não sabem nem sobre os verbos dicendi e regras de narrativa.

Escrever é 1% dom, 80% estudo e 19% treino.

Enquanto os próprios autores não começarem a se profissionalizar, a investir em seu trabalho e tirar a bunda da cadeira e dar a cara a tapa indo a eventos, participando de feiras, concursos, sempre terá reclamação. Por isso quem não tem medo de ser o diferente é quem sempre se destaca. Enquanto uns lamentam, outros criam oportunidades.

Basta parar de chorar um pouco nas redes e começar a arregaçar a manga e mostrar para a editora, o porque você merece o tipo de publicação que você almeja.

0 visualização

VENHA FAZER HISTÓRIA

©2018 by VENHA FAZER HISTÓRIA.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now